jogatina

PUBLICIDADE

jogatina - Fabricante de pesticida enfrenta justiça por casos de Parkinson

A fabricante do pesticida paraquat, Sygenta, enfrenta ações judiciais por agricultores que alegaram ter desenvolvido Parkinson. Pesquisas precisam ser feitas

13 fev2024 - 11h40
(atualizado às 15h19)
Compartilhar
Exibir comentários

A empresa britânica Sygenta enfrenta ações judiciais por causa de um pesticida chamado Paraquat, por suposta relação com casos de Parkinson. No capítulo mais recente dessa história, a fabricante admitiu que durante os estudos para definir se havia relação com a condição, não checou se algum ex-trabalhador tinha a doença, apenas analisou causas de morte de seus ex-funcionários.

Foto: Arief1802/Wikimedia Commons / Canaltech

Como desdobramento do caso, a Charity Parkinson's UK (uma instituição de caridade de pesquisa e apoio à doença de Parkinson no Reino Unido) ressalta a necessidade de pesquisas mais robustas e independentes sobre qualquer ligação entrepesticidas —  o que inclui o paraquat  — e a doença de Parkinson.

Ação judicial contra fabricante de pesticida

A ação judicial teve início com o agricultor Larry Wyles, de 80 anos, que utilizou o pesticida em suas terras por mais de 20 anos. Ele foi diagnosticado com Parkinson em 2002, e defende que a empresa em questão deveria ser proibida de fabricar o pesticida.

A ação contou com o apoio de Julie Plumley, cujo pai era fazendeiro, também usava Paraquat e desenvolveu Parkinson ao longo dos anos.

Estudo sobre pesticida e Parkinson

Para escapar das acusações, a Syngenta conduziu um estudo com os  trabalhadores envolvidos na fabricação de Paraquat. O acompanhamento se concentrou em dados de 2011 e 2021, e levou em consideração as causas de morte registradas nas certidões de óbito dos ex-funcionários.

Com base nessas informações, a empresa defendeu que não houve relação entre a substância produzida e o desenvolvimento de Parkinson, concluindo que não apresentou "nenhum risco aumentado de desenvolver a doença de Parkinson na força de trabalho que fabricou o Paraquat".

Empresa enfrenta ações judiciais por supostos casos de Parkinson ligados a pesticida (Imagem: twenty20photos/Envato)
Empresa enfrenta ações judiciais por supostos casos de Parkinson ligados a pesticida (Imagem: twenty20photos/Envato)
Foto: Canaltech

AoThe Guardian, um porta-voz da empresa enviou uma nota que diz o seguinte: "Nós nos preocupamos profundamente com a saúde e o bem-estar dos agricultores e estamos empenhados em fornecer produtos seguros e eficazes. Como empresa responsável, gastamos milhões de dólares testando nossos produtos para torná-los seguros para o uso pretendido."

A Syngenta se defende ao dizer que nenhum estudo "estabeleceu uma ligação causal entre o Paraquat e a doença de Parkinson", mas uma pesquisa mencionada no livro Ending Parkinson's Disease (2020) sugere que o Paraquat aumenta o risco de Parkinson em 150%.

Um relatório publicado no Jornal da USP ressalta que o aumento do surgimento de Parkinson não está associado à exposição a altas doses, mas à exposição crônica em baixas doses.

Paraquat é proibido no Brasil

O material da USP relembra que o uso do pesticida Paraquat já é proibido em mais de 30 países, incluindo o Brasil: a substância foi proibida pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em 2017. 

Fonte:BBC,Jornal da USP,The Guardian,BMJ,Ending Parkinson's Disease

Trending no Canaltech:

jogatina
Compartilhar
Publicidade
Publicidade
jogatina Mapa do site