dafabet

PUBLICIDADE

Juiz vê 'indícios' de ligação de Arthur Lira com fraude dos kits de robótica e manda caso para STF

Magistrado da 2.a Vara Federal de Maceió destaca que Operação Hefesto, da Polícia Federal, encontrou documentos com ex-assessor do presidente da Câmara e um motorista que apontam 'indícios' de envolvimento do parlamentar com desvios na compra de equipamentos em 43 municípios alagoanos

5 jul2023 - 22h27
(atualizado em 6/7/2023 às 14h33)
Compartilhar
Exibir comentários

O juiz federal substituto Roney Raimundo Leão Otilio, da 2ª Vara da Justiça Federal de Alagoas, determinou a remessa dos autos da investigação Hefesto, que mira aliados do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP), para o Supremo Tribunal Federal (STF). O juiz justifica o envio declarando que a a investigação da Polícia Federal encontrou "indícios da participação nos delitos ora investigados de um congressista" — no caso, o próprio Lira.

Cabe ao STF, então, julgar infrações de membros do Congresso, por possuírem foro privilegiado. "Ademais, o próprio Procurador-Geral da República (Augusto Aras), conforme noticiado pelo MPF, avocou a atribuição para atuar no caso", alega, ainda, o juiz.

Lira e o kit robótica: veja as suspeitas e investigações sobre o presidente da Câmara
  • PF mira aliados de Arthur Lira em operação contra fraudes na compra de kits de robótica em Alagoas
  • Investigação da PF contra braço direito de Lira tem áudios e mais áudios
  • A decisão de remessa dos autos, assinada pelo juiz, aponta que a polícia encontrou três documentos contendo os nomes de Lira e de seu ex-assessor, Luciano Ferreira Cavalcante, alvo da investigação. Os documentos são "um recibo de lavagens de veículo; um termo de autorização de entrega de veículo; um formulário de autorização de viagem outorgado por Arthur César Pereira de Lira em favor de Luciano Ferreira Cavalcante, a respeito de adolescente filho do primeiro".

    A PF teria também apreendido um documento com o motorista de Cavalcante (Wanderson) com anotações de possíveis despesas de Lira, seus familiares e pessoas de sua relação. Esses pontos indicariam o envolvimento do presidente da Câmara e justificariam o envio da investigação para o STF.

    Como mostrado pelo Estadão, Lira não foi citado nos primeiros relatórios da investigação, mas foi implicado depois que os policiais apreenderam anotações manuscritas de uma série de pagamentos a "Arthur". Os registros somam cerca de R$ 265 mil, como revelou a revista Piauí.

    Antes do início da operação, Cavalcante estava lotado na liderança do PP da Câmara, mas foi exonerado.

    COM A PALAVRA, ARTHUR LIRA

    A assessoria do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, afirmou que o parlamentar não vai comentar a decisão.

    COM A PALAVRA, A DEFESA DE LUCIANO CAVALCANTE

    AoEstadão,a defesa do ex-assessor de Arthur Lira afirmou que "a remessa ao STF é a via jurídica correta quando há suposta participação de parlamentar federal na investigação. Portanto, agiu bem o magistrado ao remeter os autos à autoridade competente para que conduza o procedimento investigatório". No entanto, não comentou a suposta ligação de Lira com Cavalcante.

    Estadão
    Compartilhar
    Publicidade
    Publicidade
    dafabet Mapa do site

    1234