PG jogos

PUBLICIDADE

PG jogos - Bloco formado por 500 mulheres desfila hoje em Salvador

Elas são percussionistas, dançarinas e destaques. Grupo de percussão foi criado em projeto social para periferia

8 fev2024 - 05h00
Compartilhar
Exibir comentários
Desfile reúne mulheres no comando do bloco. Homens, se quiserem participar, acompanham como foliões
Desfile reúne mulheres no comando do bloco. Homens, se quiserem participar, acompanham como foliões
Foto: Akva Souza

Os números impressionam: 40 percussionistas; 40 meninas desfilando como destaques; 120 dançarinas em cada ala; há ainda integrantes em outras funções, como coordenação, somando 500 mulheres no desfile do Bloco Afro A Mulherada, que sai hoje no Circuito de Campo Grande, em Salvador, às 17 horas.

O Bloco homenageia Nanã, orixá da sabedoria, da ancestralidade e da conexão com elementos essenciais para a vida, como a água. O desfile é promovido pelo Instituto A Mulherada, surgido em 2001 para atender mulheres em vulnerabilidade na capital baiana. Entre outras iniciativas, oferece cursos de percussão e profissionalizantes no Centro Histórico de Salvador.

As mulheres e meninas atendidas vêm de periferias como Cosme de Farias, Brotas, Liberdade, Sussuarana, Nova Brasília e Sete de Abril. “No próprio Centro Histórico tem a parte periférica, as vielas, muitas meninas moram nelas. Não é só aquilo que os turistas enxergam”, explica Paula Érica Figueiredo, presidente do Instituto A Mulherada.

Ela conversou com o Visão do Corre:

Paula Souza, presidente do Instituto A Mulherada: “Carnaval baiano é claramente machista, especialmente com mulheres na percussão”
Paula Souza, presidente do Instituto A Mulherada: “Carnaval baiano é claramente machista, especialmente com mulheres na percussão”
Foto: Arquivo pessoal

O bloco existe desde a fundação do Instituto?

Isso. Iniciamos em 2001, com 50 mulheres. Fomos questionadas por alguns participantes de blocos famosos se a banda tinha nome. Ainda não tinha. Como num susto, respondemos ‘a mulherada’. Então registramos o nome.

O Carnaval em Salvador é machista?

Os horários melhores são das bandas com cantores homens. Eles sempre excluem mulheres, ainda mais no nosso caso: não somos famosas. É claramente machista, principalmente com mulheres na percussão. Tem gente que ainda acha que lugar de mulher é na cozinha, cuidando dos filhos.

Quais materiais recicláveis vocês usam nos adereços?

Folhas, emborrachados, fibras naturais, tecidos orgânicos.

Com tantas atrações em Salvador, como o desfile de vocês chama a atenção?

A nossa atração, o diferencial, é a composição feminina em alas, percussão, destaques. Os homens, se quiserem acompanhar, vão como foliões.

SERVIÇO

Desfile do Bloco Afro A Mulherada

Quando: quinta-feira, 8 de fevereiro, 18h

Onde: Circuito Campo Grande

Informações@institutoamulherada e (71) 98727-4713 

Fonte: Marcos ZibordiColunista do Visão do Corre
Compartilhar
Publicidade
Publicidade
PG jogos Mapa do site

1234